domingo, 27 de julho de 2014

São Paulo (Metrópole)

Hoje estive na cidade que não para, São Paulo, vulgo Metrópole. A cada lugar uma impressão uma reflexão saindo com aquela sensação de que o tempo dita o ritmo e na vida tudo tem que ser feito com muita atenção e cautela.

Sempre que posso me proponho a rasgar São Paulo de trem e/ou metrô para depois analisar a paisagem que se transforma rapidamente revelando suas contradições, mas o que mais impressiona são as pessoas que de fato contribuem e muito para que a metrópole siga em constante movimento.

Ao percorrer do extremo leste a região sul de SP, tento não me prolongar muito, pois estava com horário restrito e não podia “falhar na missão” como frisa sempre meu mestre Ziza. Estava na estação Pinheiros do metrô e ao entrar na composição sentam ao meu lado Funk Buia e Pitchô do Z’África Brasil, na hora não sabia o que dizer, pois tamanha é a admiração que tenho pelos caras. 

O Z’África com sua forma diversificada de fazer RAP e legitimando as raízes do povo negro fazem parte da minha trajetória e é uma escola viva para o meu aprendizado dentro da cultura Hip-Hop. Não perdi a oportunidade e fui trocar uma ideia com os manos que estavam acompanhados de uma amiga. 

Os manos foram muito atenciosos e conversei 1000fitas com o Pitchô, falamos da cena atual do RAP, sobre o novo álbum – que, aliás, em pleno domingão o Z’África Brasil estava indo finalizar mais uma sessão de gravação do “Ritual” – falamos de informação, cultura Hip-Hop, tecnologia, música num geral, da nova geração do RAP e da experiência do grupo fora do país...

Enfim, um momento único que com certeza meus netos ouvirão bastante em volta da fogueira!

Valeu Funk Buia, Pitchô, Z'África Brasil Official e Z’Áfricanos!

Humildade e respeito 100pre!


MC Maurício

MC Maurício, Funk Buia e Pitchô

quinta-feira, 24 de julho de 2014

Salve rapaziada, segue ae o vídeo da apresentação do meu projeto solo "MC Maurício: mais um cidadão comum" que aconteceu no VI Festival Virada da Lua no dia 14/06 na Moradia Estudantil da Unicamp em Campinas-SP, venho compartilhar a emoção e o manifesto cultural através da música RAP. Forte abraço a tod@s!



Imagens: 
Rodolfo Faria Lima
Edição:
MC Maurício
Apoio:
RAP Rua

Meu mestre...



Na vida sempre há alguém para se espelhar e que sirva de inspiração pra superarmos os momentos difíceis, mas também para valorizarmos os instantes de felicidade da forma mais simples. 
Meu irmão e mestre José Carlos (Ziza) faz com que eu me sinta uma pessoa melhor a cada aprendizado. Muito obrigado Ziza e Fatima sem vocês o nosso dia-a-dia seria apenas mais um...

"o importante não é o dinheiro, não é poder, aquisição, o importante é a amizade é coisa do coração, coisa de pele mesmo entendeu, onde tem respeito, onde tem amor, tem dignidade, não há quem breque isso aí"

Ziza (Mistura Fina) em entrevista para o blog Guerrilha DCI

quarta-feira, 16 de julho de 2014

Versos por MC Maurício

Na busca do progresso a vida em movimento promove o acesso
contra o avesso despertam versos e beats impressos,
editados o mix do amor e ódio
se fez tão útil pro levante na paz de espírito sem pódio.

Pois a maior vitória a ação em sabedoria
compreender que crianças vagam longe sorrindo todos os dias,
no horizonte o brilho sincero...
marca o traço que reluz o caminho que venero.

MC Maurício

domingo, 6 de julho de 2014

Discutindo RAP


Queria deixar um salve a toda rapaziada que colou ontem (05/07) no debate "Discutindo RAP" no cursinho pré-vestibular Flor de Maio no Centro de Arte e Cultura: CAC de Hortolândia-SP, muito obrigado a tod@s pela recepção e atenção. Várias ideias e muita reflexão.

Hip-Hop cada vez mais forte...

Valeu Anderson Sabino pelo convite.

Muita força a tod@s!

MC Maurício
"Mais um cidadão comum"






segunda-feira, 16 de junho de 2014

A arte que tanto amo: o RAP


Depois de dois anos voltei a realizar uma das artes que mais amo, o "RAP". 


Disposto a encarar um novo desafio após 10 anos com meu mano André Burato juntos com o Mentes Urbanas DCI, o destino coloca a prova nossos caminhos, e optamos por colocar umas reticências nas atividades do grupo, mas sou muito grato pelas lutas e ensinamentos vivenciados. 

No sábado (14/06) fiz minha primeira apresentação solo no VI Festival da Virada da Lua, na Moradia da Unicamp em Campinas-SP. Maravilhoso evento e deixo um salve para a produção, organização e todas as pessoas que no final trocaram uma ideia, muito obrigado!

Queria compartilhar esse momento com todos os amigos e conhecidos e agradecer o reconhecimento e compreensão, sei que e embaçado citar nomes, mas obrigado Nathalia ToledoAnselmo Nômade BeatsAndré Etc,Rikardo LyonFatima da CostaWillian Martins RodriguesLuester Tatto O,Silas SilvaDenis Carvalho Carvalho pelas conversas nesse período difícil e decisivo. 

Agradecer também a todos os frequentadores e organizadores do Saraus da escola "Matozinho" da companheira de luta profª Keka e Parada Poética que tanto me inspira, motiva a continuar escrevendo e acreditar nas palavras. 

Valeu Rodolfo Faria Silva e Rolver Bernardes Costa pelo companheirismo e apoio técnico na apresentação. Agora temos:

"Que lutar para alcançar nossas metas
como o escudo o estudo do poeta
a arte que liberta passo a passo não demora
através do RAP o instrumento que vigora"

MC Maurício: mais um cidadão comum







Fotos: Rodolfo Faria Silva

quarta-feira, 28 de maio de 2014

No campo por MC Maurício

Não venha com conversa de defensivo agrícola
Nas práticas visíveis as conseqüências fazem o lógico
Contaminação do solo e substancias cancerígenas
Com o consumo de agrotóxicos
Espalhados pelos cantos nas lavouras do país
Aceleram o cultivo pro latifundiário
Sem controle, exceção por ventura
Financiados pelo Ministério da Agricultura
O alimento que vem a mesa
Regados por substâncias que afetam o organismo sem defesa
O Brasil é um dos maiores importadores desses venenos
Enquanto o mercado visa o lucro
Nóiz de chapéu consumindo e não entendemos

Sem colher nenhuma esperança...

segunda-feira, 12 de maio de 2014

Ridículo por MC Maurício

"Adoro futebol, mas como prática esportiva. Em época de Copa tudo vira moda, negócio, mercado e reintegração de posse compulsiva pelos empresários do mercado imobiliário. Jogam banana no gramado pra ofender racial e socialmente o atleta negro, com isso fazem dinheiro e a situação prossegue desde quando os nossos irmãos negros foram escravizados nos países africanos. E mais, existe algo que poucas pessoas comentam ou não deem atenção, o machismo que segue nas linhas laterais nos gramados dos estádios em dias de "clássicos" ou jogos "menos televisionados" atacando ferozmente as arbitras e auxiliares nos jogos. Tudo se torna ridículo. PRECONCEITO RACIAL, MACHISMO e HOMOFOBIA no cotidiano expõe o atraso do conservadorismo que nos é imposto. É difícil ser negro, mulher e homossexual no Brasil, mas a luta pela mudança continua até a eternidade!"